Blockchain – Um olhar sobre as tecnologias futuras

O que exatamente é blockchain? Por que ainda não alcançou um avanço no setor de logística? E como seu potencial inovador pode ser aproveitado com a ajuda dos ecossistemas certos? Uma análise do blockchain.

O recurso “Do laboratório do futuro” apresenta os resultados da divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Corporativo, que trabalha em estreita colaboração com vários departamentos e filiais, bem como o DACHSER Enterprise Lab no Fraunhofer IML e outros parceiros de pesquisa e tecnologia.

Parte do brilho parece ter saído de uma das principais tecnologias de próxima geração dos últimos anos: blockchain. Isto se deve simplesmente à desilusão entre aqueles que têm especulado com a criptomoeda Bitcoin? Talvez. Mas a moeda digital de renome mundial é apenas um caso de uso para o que ainda é uma tecnologia notável.

Blockchain é uma forma particular de tecnologia de contabilidade distribuída (DLT), um termo genérico que descreve várias formas de estruturas de banco de dados sem um administrador central. Blockchain e Bitcoin foram ambos inventados por um certo Satoshi Nakamoto, que publicou o famoso white paper do Bitcoin em novembro de 2008. Mas esse nome é apenas um pseudônimo. Até hoje, a pessoa ou grupo de pessoas por trás de Satoshi Nakamoto permanece um mistério.

Um blockchain é um conceito de TI que garante a troca confiável de informações, transações e valores. A tecnologia é construída em funções de hash, que atuam como um procedimento criptográfico, e nós de validação e armazenamento descentralizados. Isso significa que os dados são distribuídos de forma redundante – em outras palavras, muitas cópias são armazenadas em locais diferentes – entre os participantes de uma rede blockchain, sem a necessidade de armazenar dados centralmente. O nome blockchain vem da estrutura subjacente da tecnologia de blocos de dados que são encadeados juntos usando mecanismos criptográficos.

O procedimento de hashing assegura que, uma vez formados os blocos de dados, eles não possam ser alterados posteriormente sem que isso seja percebido imediatamente por todas as partes envolvidas no blockchain. A cadeia de dados também poderia ser descrita como um conjunto de documentação da transação que é enfileirada cronologicamente. Os dados são armazenados redundantemente no maior número possível de nós de uma blockchain, todos conectados via internet. Estes nós criam, armazenam e verificam os blocos de uma blockchain. Diferentes procedimentos de prova (por exemplo, consenso entre a maioria dos nós de uma blockchain) determinam se um novo bloco de dados pode ser escrito na blockchain. Este ecossistema não requer um banco de dados central ou uma administração central.

As tecnologias Blockchain têm um conceito atraentemente simples. Mas além do Bitcoin, a plataforma Ethereum e algumas outras soluções menores fora do setor financeiro, nenhuma inovação realmente grande baseada em blockchain surgiu até agora – inclusive na logística. Por que isso acontece? Talvez porque mesmo com sua estrutura blockchain descentralizada, em muitos casos, essas soluções precisam de um condutor e coordenador central - não de uma perspectiva técnica, mas organizacional? E porque é difícil encontrar alguém que se encaixe no projeto, pois eles precisam ser neutros e livres de interesses pessoais para não assustar os participantes desse ecossistema blockchain?

Potencial na logística

Apesar desses problemas fundamentais ainda não resolvidos, existem várias aplicações potenciais interessantes para tecnologias de contabilidade distribuída, especialmente para documentos (atualmente ainda em papel) contendo informações confidenciais ou mesmo reivindicações (de propriedade) relacionadas a mercadorias transportadas. Seria um grande avanço para a digitalização da logística se tais documentos fossem gerenciados de forma autônoma e tivessem um histórico rastreável, independente da ação de terceiros. Isso pode se tornar uma realidade para coisas como documentos de acompanhamento de mercadorias perigosas. 

O objetivo seria digitalizar o intercâmbio de informações entre entre as partes interessadas em mercadorias perigosas. Uma maneira de fazer isso é por meio de um documento de transporte eletrônico baseado em blockchain que é atualizado e documentado etapa por etapa em cada carregamento e descarregamento por meio da interação com o blockchain. Este é atualmente o assunto de uma pesquisa intensiva. A Dachser também está apoiando várias atividades em conjunto com clientes e parceiros, em particular com o European Blockchain Institute, que está sendo estabelecido, e com o Fraunhofer IML. Juntas, as três organizações estão investigando a viabilidade de tais casos de uso e construindo protótipos.

Para detectar o maior número possível de considerações legais relevantes, a indústria e o meio acadêmico devem primeiro demonstrar a viabilidade da ideia e identificar as mudanças necessárias. E para evitar uma situação em que empresas individuais posteriormente criem soluções isoladas, deve-se adotar uma abordagem conjunta envolvendo várias empresas e associações do setor, bem como formuladores de políticas, autoridades e organizações com foco em segurança, como polícia e bombeiros. Aliás, pensando muito à frente, o último também se beneficiará de um ecossistema de mercadorias perigosas baseado em blockchain. Caso ocorra uma situação perigosa, a polícia e os bombeiros podem acessar de forma rápida e fácil as principais informações sobre o transporte de mercadorias perigosas envolvidas, bem como dados atualizados sobre o status das remessas transportadas. De posse dessas informações, eles poderiam então iniciar uma ação ainda mais direcionada, pois saberiam quais mercadorias perigosas ainda estavam a bordo do veículo e quais já haviam sido descarregadas. Isso deve aumentar ainda mais a segurança na cadeia de transporte.

Também há potencial para usar blockchain para documentos alfandegários ou notas de entrega. No transporte marítimo, os conhecimentos de embarque baseados em blockchain podem fornecer um histórico de eventos transparente e inviolável para os agentes dentro de um ecossistema, permitindo não apenas a conectividade de objetos físicos (remessas), mas também a transferência de valores e documentos originais.

Do ponto de vista da indústria e da empresa, o mais importante é resolver o problema de governança. Isso se refere principalmente aos direitos e responsabilidades de decisão entre empresas que têm um impacto significativo nos incentivos para participar de um ecossistema baseado em blockchain. Mais trabalho é necessário aqui para determinar o melhor caminho a seguir e explorar como abordar esta questão. Uma solução possível poderia ser uma entidade legal autônoma e neutra que hospeda um ecossistema composto tanto por agentes empresariais quanto reguladores.

A tecnologia Blockchain continua sendo uma tecnologia futura relevante para a digitalização da logística. No entanto, não deve ser implementado como um fim em si mesmo. Infelizmente, isso é algo que muitos agentes esquecem sempre que um novo projeto é lançado. No final das contas, a inovação baseada em blockchain deve agregar valor significativo às soluções existentes. E o mais importante, os desafios colocados pelo desconhecido ecossistema empresarial baseado em blockchain não devem ser negligenciados. Afinal, blockchain não é apenas uma tecnologia – é uma nova forma de colaboração na cadeia de suprimentos. E isso precisa ser aprendido, testado e comprovado na prática.

Contato Elizabeth Gonzalez